9 de maio de 2013

Vislumbrante Amor (Autor: Paulo César Ferreira)





Vai-te daqui solidão, onde não mais tem morada, 
Pois ao lado da pessoa amada eu irei me encontrar 
Ah o coração! O que falar desse musculo delirante 
Que outrora tão errante jamais me perdoará. 
Como pode alguém lhe dar razão 
Sabendo da situação que acabou de acabar 

Eu escuto o amor, mediante a dor 
Foi melhor acatar 
Sei que pode estar ferida com agonia da vida 
Que eu ei de curar 
Quão maldoso é esse tal coração, por não aceitar opinião 
Vai de rasteira na razão, agredindo a solidão 
Por não mais te encontrar 

Há relatos fidedignos que se aconteceu contigo 
É melhor postergar 
Pois invejo a ambição, daqueles que vão 
Vasculhar na multidão alguém para amar 

Na vida Aprendi contestar tudo, contestar o certo 
Contestar o errado 
Só não contestar o amor 
Que pra mim foi inspirado. 

Sempre vislumbrei tal amor, 
Por toda minha infância, hoje já 
O desconheço por não ser mais criança. 
Não falo por enigma, não chegaria a tanto 
Sei que estou amando só não sei mensurar o quanto 
Sua voz pra mim é como o canto do uirapuru 
Enchendo-me de alegria, norteando minha alma 

Nessa busca vazia 
Que intriga e assusta ao mesmo tempo, 
Mas saberei esperar pelo devido sentimento 
Que de hora em hora vem a mim 
Ao sabor dos ventos. 

Com isso, lanço mão da razão que as rédeas 
Desse coração ela há de tomar 
Não tente entender o autor, 
Pois não há relevância 
Saiba que esse vos escreve, 
É de fato aquela eterna criança.


Autor: Paulo César Ferreira

3 comentários:

  1. Uau! Que poesia mais linda! Me lembrou Camões! Juro!

    Linda!!!!! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que eu também amei!!! Dali Paulo César!!!

      Excluir
  2. Realmente, belíssimo esse poema. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir